Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

PROTESTOBR- CARTILHA- VC SABE O QUE ESTÁ COMENDO

www.protestobr.com.br

Fonte: www.anvisa.gov.br

 

 
Manual de orientação aos consumidores
Educação para o Consumo Saudável
Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa
Rotulagem Nutricional Obrigatória
Manual de orientação aos consumidores
Educação para o consumo saudável
Ministério da Saúde
Agência Nacional de Vigilância Sanitária
Gerência Geral de Alimentos
Universidade de Brasília
Departamento de Nutrição
É permitida a reprodução parcial ou total desde que citada a fonte.
www.anvisa.gov.br
Brasília – DF – 2008
“Esta publicação foi realizada como parte das atividades de parceria
entre a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e a Fundação
de Empreendimentos Científicos e Tecnológicos (FINATEC)/ Departamento
de Nutrição da Universidade de Brasília (NUT-UnB). Não é permitida a
comercialização”.
Ficha Catalográfica
Rotulagem nutricional obrigatória: manual de orientação aos consumidores
Alimentos / Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Universidade de
Brasília – Brasília: Ministério da Saúde, Agência Nacional de Vigilância
Sanitária / Universidade de Brasília, 2005. 17p.
ISBN: 85-88233-18-5
1. Alimentos. 2. Consumidor. 3. Rotulagem de Alimentos.
I. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Brasil). II Convênio ANVISA / UnB.
Departamento de Nutrição.
Apresentação
Nesse manual vamos conhecer algumas legislações que se referem à ROTU-
LAGEM DE ALIMENTOS. O objetivo maior é estimular que você e a sua família
leiam e entendam as informações veiculadas nos rótulos dos alimentos. Isso
tudo para contribuir com a melhoria da sua saúde e qualidade de vida.
Os rótulos são elementos essenciais de comunicação entre produtos e con-
sumidores. Daí a importância das informações serem claras e poderem ser
utilizadas para orientar a escolha adequada de alimentos.
Dados recentes levantados junto à população que consulta o serviço Dis-
que-Saúde do Ministério da Saúde demonstram que aproximadamente
70% das pessoas consultam os rótulos dos alimentos no momento da
compra, no entanto, mais da metade não compreende adequadamente o
significado das informações.
Com a publicação das normas que tornam obrigatória a declaração do con-
teúdo nutricional dos alimentos, denominada de rotulagem nutricional, as
informações contidas nos rótulos passam a ser ainda mais complexas, exi-
gindo maior habilidade do consumidor para interpretá-las e entendê-las.
Manual de Orientação aos Consumidores – Educação para o Consumo Saudável – 5
Divulgar as informações e seu correto significado motivou a publicação deste
manual dirigido especificamente aos consumidores. O propósito é facilitar a
compreensão dos termos usados na rotulagem de alimentos, aumentando
seu potencial de proteção e promoção da saúde.
A expectativa é que o material possa ser adotado como instrumento de
orientação e capacitação pelos diversos segmentos da população e desper-
te, ainda mais, o interesse pela busca do consumo e escolha mais saudável
de alimentos.
No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA é o órgão
responsável pela regulação da rotulagem de alimentos que estabelece as
informações que um rótulo deve conter, visando à garantia de qualidade do
produto e à saúde do consumidor.
6 – Manual de Orientação aos Consumidores – Educação para o Consumo Saudável
Rótulo de Alimentos
O rótulo do alimento é uma forma de comunicação entre os produtos e os
consumidores. Vejam algumas informações que sempre devem estar presentes
nos rótulos e são importantes que você as identifique:
Lista de Ingredientes
produtos que tenham prazo de validade su-
Informa os ingredientes que compõem o
perior a três meses. Se o mês de vencimento
produto. A leitura dessa informação é im-
for dezembro, basta indicar o ano, com a
portante porque o consumidor pode iden-
expressão “fim de…… “ (ano).
tificar a presença de termos, como açúcar,
sacarose, glicose, ou outros tipos de açú-
Prazo de Validade
car, como a dextrose.
Os produtos devem apre-
sentar pelo menos o dia e
Obs 1:
o mês quando o prazo de
Alimentos de ingredientes úni-
validade for inferior a três
cos como açúcar, café, farinha
meses; o mês e o ano para
de mandioca, leite, vinagre
produtos que tenham
não precisam apresentar
prazo de validade superior
lista de ingredientes.
a três meses. Se o mês de
vencimento for dezembro,
Obs 2:
basta indicar o ano, com a ex-
A lista de ingredientes
pressão “fim de…… “ (ano).
deve estar em ordem de-
crescente, isto é, o primei-
Conteúdo Líquido
ro ingrediente é aquele que está em maior
Indica a quantidade total de
quantidade no produto e o último, em
produto contido na embalagem. O valor
menor quantidade.
deve ser expresso em unidade de massa
(quilo) ou volume (litro).
Origem
Informação que permite que o consumi-
Lote
dor saiba quem é o fabricante do produto
É um número que faz parte do controle na
e onde ele foi fabricado. São informações
produção. Caso haja algum problema, o
importantes para o consumidor saber qual
produto pode ser recolhido ou analisado
a procedência do produto e entrar em con-
pelo lote ao qual pertence.
tato com o fabricante se for necessário.
Informação Nutricional Obrigatória
Prazo de Validade
É a tabela nutricional. Sua leitura é im-
Os produtos devem apresentar pelo menos
portante porque a partir das informações
o dia e o mês quando o prazo de validade
nutricionais você pode fazer escolhas mais
for inferior a três meses; o mês e o ano para
saudáveis para você e sua família.
Manual de Orientação aos Consumidores – Educação para o Consumo Saudável – 7
Os rótulos dos
Exemplos:
alimentos não devem:
Chocolates que demonstram mediante
ilustração que o consumo de determi-
nada quantidade equivale ao consumo
Apresentar palavras ou qualquer re-
de um copo de leite.
presentação gráfica que possa tornar a
Obs: Mesmo que o consumo de determinada
informação falsa, ou que possa induzir
quantidade de chocolate possa equivaler em
o consumidor ao erro.
determinado nutriente (como o cálcio) ao
consumo de leite, os dois alimentos não
são comparáveis. Essa comparação pode
levar o consumidor ao erro.
Determinados produtos demonstrando
Demonstrar propriedades que não possuam
que seu consumo reduz o risco de
ou não possam ser demonstradas.
doença cardíaca.
“Óleo sem colesterol” – todo óleo vegetal
não apresenta em sua composição
Destacar a presença ou ausência de
colesterol.
componentes que sejam próprios de
alimentos de igual natureza.
O certo é: “Óleo sem colesterol, como
todo óleo vegetal”.
Ressaltar, em certos tipos de alimentos
processados, a presença de componentes
“Maionese preparada com ovos”
que sejam adicionados como ingredientes
toda maionese deve ter ovos em sua
em todos os alimentos com tecnologia
composição.
de fabricação semelhante.
Indicar que o alimento possui proprieda-
“…previne a osteoporose”.
des medicinais ou terapêuticas ou acon-
selhar o seu consumo como estimulante,
”…emagrece”.
para melhorar a saúde, para prevenir
doenças ou com ação curativa.
8 – Manual de Orientação aos Consumidores – Educação para o Consumo Saudável
Informação Nutricional Obrigatória
%VD
Porção
Precentual de Valores
É a quantidade média do
Diários (%VD) é um
alimento que deve ser
número em percentual
usualmente consumida
que indica o quanto o
por pessoas sadias a cada
produto em questão
vez que o alimento é
apresenta de energia e
consumido, promovendo
nutrientes em relação a
a alimentação saudável.
uma dieta 2000 calorias.
Medida Caseira
Indica a medida
Cada nutriente apresenta um valor
normalmente utilizada
diferente para se calcular o VD.
pelo consumidor para
Veja os valores diários de referência
medir alimentos.
Valor energético – 2000kcal / 8.400kJ
Por exemplo: fatias,
Carboidratos – 300g
unidades, pote, xícaras,
Proteínas – 75g
copos, colheres de sopa.
Gorduras Totais – 55g
Gorduras Saturadas – 22g
Fibra Alimentar – 25g
Sódio – 2400mg
A apresentação da Medida
Não há valor diário para as
caseira é obrigatória
gorduras trans.
Esta informação vai ajudar você,
consumidor, a entender melhor
as informaçòes nutricionais
Manual de Orientação aos Consumidores – Educação para o Consumo Saudável – 9
O que significam os itens da Tabela de
Informação Nutricional nos Rótulos:
Valor Energético
É a energia produzida pelo nosso corpo proveniente dos carboidratos, prote-
ínas e gorduras totais. Na rotulagem nutricional o valor energético é expresso
em forma de quilocalorias (kcal) e quilojoules (kJ).
Obs: Quilojoules (kJ) é outra forma de medir o valor energético dos alimentos,
sendo que 1 kcal equivale a 4,2 kJ.
Carboidratos
São os componentes dos alimentos cuja principal função é fornecer a ener-
gia para as células do corpo, principalmente do cérebro. São encontrados em
maior quantidade em massas, arroz, açúcar, mel, pães, farinhas, tubérculos
(como batata, mandioca e inhame) e doces em geral.
Proteínas
São componentes dos alimentos necessários para construção e manutenção
dos nossos órgãos, tecidos e células. Encontramos nas carnes, ovos, leites e
derivados, e nas leguminosas (feijões, soja e ervilha)
10 – Manual de Orientação aos Consumidores – Educação para o Consumo Saudável
Gorduras Totais
As gorduras são as principais fontes de energia do corpo e ajudam na absorção
das vitaminas A, D, E e K. As gorduras totais referem-se à soma de todos os ti-
pos de gorduras encontradas em um alimento, tanto de origem animal quanto
de origem vegetal.
Gorduras Saturadas
Tipo de gordura presente em alimentos de origem animal. São exemplos: car-
nes, toucinho, pele de frango, queijos, leite integral, manteiga, requeijão, io-
gurte. O consumo desse tipo de gordura deve ser moderado porque, quando
consumido em grandes quantidades, pode aumentar o risco de desenvolvimen-
to de doenças do coração. Alto %VD significa que o alimento apresenta grande
quantidade de gordura saturada em relação à necessidade diária de uma dieta
de 2000 Kcal.
Gorduras Trans ou Ácidos Graxos Trans
Tipo de gordura encontrada em grandes quantidades em alimentos industriali-
zados como as margarinas, cremes vegetais, biscoitos, sorvetes, snacks (salga-
dinhos prontos), produtos de panificação, alimentos fritos e lanches salgados
que utilizam as gorduras vegetais hidrogenadas na sua preparação. O consumo
desse tipo de gordura deve ser muito reduzido, considerando que o nosso
organismo não necessita desse tipo de gordura e ainda porque, quando con-
sumido em grandes quantidades, pode aumentar o risco de desenvolvimento
de doenças do coração. Não se deve consumir mais que 2 gramas de gordura
trans por dia.
Obs: O nome trans é devido ao tipo de ligações químicas que esse tipo de gor-
dura apresenta.
Fibra Alimentar
Está presente em diversos tipos de alimentos de origem vegetal, como frutas,
hortaliças, feijões e alimentos integrais. A ingestão de fibras auxilia no funcio-
namento do intestino. Procure consumir alimentos com alto %VD de fibras
alimentares!
Sódio
Está presente no sal de cozinha e alimentos industrializados (salgadinhos de
pacote, molhos prontos, embutidos, produtos enlatados com salmoura) de-
vendo ser consumido com moderação uma vez que o seu consumo excessivo
pode levar ao aumento da pressão arterial. Evite os alimentos que possuem alto
%VD em sódio.
Manual de Orientação aos Consumidores – Educação para o Consumo Saudável – 11
Além de saber o que é VALOR DIÁRIO DE REFERÊNCIA e entender o significado
de cada nutriente da INFORMAÇÃO NUTRICIONAL OBRIGATÓRIA, é importante
saber utilizar todas essas informações.
Mas não é necessário ficar somando as quantidades de cada nutriente para
saber se atingiu ou não as recomendações diárias. O importante é escolher
alimentos mais saudáveis a partir da comparação de alimentos similares, como,
por exemplo, escolher o iogurte, queijo, pão mais adequado para a saúde da
sua família.
Para isso basta saber que um alto %VD indica que o produto apresenta alto
teor de determinado nutriente. Já os produtos com %VD reduzido indicam o
contrário.
Para ter uma alimentação mais saudável dê preferência a:
• Produtos com baixo %VD para gorduras saturadas, gorduras trans e sódio;
• Produtos com alto %VD para as fibras alimentares.
12 – Manual de Orientação aos Consumidores – Educação para o Consumo Saudável
Situações que encontramos
no momento das compras:
Caso 1
Você, consumidor, está lendo o rótulo do pão de forma e se depara com
a informação abaixo.
A Tabela de Informação Nutricional do pão de forma é apresentada para 2 fatias.
Mas, se você possui o hábito de, em cada ocasião de consumo, comer apenas 1 fatia,
para saber a quantidade de energia e nutrientes que você ingeriu, basta dividir por 2
os valores da tabela.
Desta forma, você terá os valores de energia e nutrientes para 1 fatia de pão de forma,
ou seja, 85 calorias, 17g de carboidratos, 2,4g de proteínas, 0,75g de gorduras totais
e 33mg de sódio.
Obs 1:
Esse exemplo está sendo dado com o pão de forma, mas pode
valer para outros tipos de alimentos. Por isso, preste bastante
atenção na medida caseira correspondente à medida em
gramas ou mililitros.
Obs 2:
Observe que os valores da informação nutricional variam em
função da composição do produto.
Manual de Orientação aos Consumidores – Educação para o Consumo Saudável – 13
Caso 2
Você, consumidor, está lendo as Informações Nutricionais dos alimentos e
se depara com tabelas não completas. Por que estão dessa forma?
Declaração Simplifi cada de
Nutrientes
Amido de Milho
A Declaração Simplificada de Nutrientes pode ser utilizada quando o alimento apresentar
QUANTIDADES NÃO SIGNIFICATIVAS.
Para tanto, a declaração de valor energético e/ou conteúdo de nutrientes de quantidade
não signifi cativa será substituída pela seguinte frase:
“Não contém quantidade significativa de… valor energético e/ou nome(s) do(s)
nutrientes(s)”.
Isso signifi ca que o amido de milho só apresenta em sua composição valor energético
e carboidratos.
14 – Manual de Orientação aos Consumidores – Educação para o Consumo Saudável
Caso 3
Você, consumidor, está lendo as Informações Nutricionais dos alimentos e
se depara com diferentes formatos de tabela. Está certo?
Segundo a Resolução RDC nº 360 de 23 de dezembro de 2003, a
Informação Nutricional Obrigatória pode ser apresentada de três
formas. São elas:
MODELOS
Vertical
Horizontal
(*) % Valores Diários com base em uma dieta
de 2.000 kcal ou 8400 kJ. Seus valores diários
podem ser maiores ou menores dependendo
de suas necessidades energéticas.
Linear
Informação Nutricional: Porção __ g ou mL (medida caseira); Valor energético… kcal = …
kJ (…%VD); Carboidratos …g (…%VD); Proteínas …g (…%VD); Gorduras totais …g (…%VD);
Gorduras saturadas …g (%VD); Gorduras trans…g; Fibra alimentar …g (%VD); Sódio …mg
(%VD).
*% Valores Diários com base em uma dieta de 2.000 kcal ou 8400 kJ. Seus valores diários
podem ser maiores ou menores dependendo de suas necessidades energéticas.
Manual de Orientação aos Consumidores – Educação para o Consumo Saudável – 15
Caso 4
Você, consumidor, está procurando um alimento que tenha grande quan-
tidade de fibras. Como escolher o mais rico? Neste caso serão comparados
dois tipos de cereais matinais.
Cereal Matinal A
Cereal Matinal B
O cereal matinal com maior teor de fibras é o cereal matinal B,
que possui o maior %VD para fibras.
16 – Manual de Orientação aos Consumidores – Educação para o Consumo Saudável
Dúvidas Freqüentes
Todos os alimentos e bebidas embalados precisam ter Rotulagem Nu-
tricional?
Todos, com exceção das bebidas alcoólicas; especiarias (como, por exemplo,
orégano, canela e outros); águas minerais naturais e as demais águas envasa-
das para consumo humano; vinagres; sal, café, erva mate, chá e outras ervas
sem adição de outros ingredientes (como leite ou açúcar); alimentos prepara-
dos e embalados em restaurantes e estabelecimentos comerciais, prontos para
o consumo como sobremesas, musse, pudim, salada de frutas; os produtos
fracionados nos pontos de venda a varejo comercializados como pré-medi-
dosm, como queijos, salame, presunto; as frutas, vegetais e carnes in natura,
refrigerados e congelados.
Embalagens muito pequenas também devem trazer a rotulagem nu-
tricional?
Os alimentos com embalagens cuja superfície visível para rotulagem seja me-
nor ou igual a 100 cm2 não necessitam apresentar a informação nutricional
obrigatória. Se esses alimentos forem processados para dietas com restrição de
nutrientes (“diet”) ou com valor energético e/ou o(s) nutriente(s) reduzido(s)
(‘light”), devem apresentar informação nutricional obrigatória.
Existe obrigatoriedade da declaração de Medida Caseira?
Sim. A Informação Nutricional obrigatoriamente deve apresentar, além da
quantidade da porção do alimento em gramas ou mililitros, o correspondente
em medida caseira, utilizando utensílios domésticos como colher, xícara, copo,
dentre outros.
O número de porções contido na embalagem do alimento deve ser
declarado no rótulo?
Não. Caso seja declarado, pode constar na tabela de informação nutricional ou
em local próximo a esta.
A rotulagem nutricional é obrigatória também para produtos a granel
e/ou pesados à vista do consumidor?
Manual de Orientação aos Consumidores – Educação para o Consumo Saudável – 17
A legislação não se aplica aos produtos vendidos a granel ou pesados à vista
do consumidor.
Por que no nutriente Gordura Trans não aparece o %VD?
Porque não existe valor estabelecido, uma vez que o consumo de gordura trans
não deve ser estimulado. Deve-se procurar sempre observar os alimentos com
os menores teores de gordura trans.
Por que algumas informações aparecem como não significativas?
Porque os valores são tão pequenos, apesar de não serem ZERO, que são con-
siderados não significativos para o consumo.
Alguns rótulos não apresentam todos os nutrientes, por quê?
Em alguns casos o fabricante de alimentos pode utilizar a DECLARAÇÃO NU-
TRICIONAL SIMPLIFICADA. É quando alguns nutrientes estão presentes em tão
baixas concentrações que estas são consideradas quantidades não significati-
vas para a alimentação do indivíduo.
18 – Manual de Orientação aos Consumidores – Educação para o Consumo Saudável
Dúvidas sobre Diet e Light
Os consumidores muitas vezes procuram por alimentos diet e
light. Mas não sabem ao certo o que essa denominação quer
dizer. Aqui temos uma série de perguntas e respostas que
esclarecem a diferença entre diet e light.
Alimentos DIET
São os alimentos especialmente formulados para grupos da população que
apresentam condições fisiológicas específicas. Como, por exemplo, geléia para
dietas com restrição de açúcar. São feitas modificações no conteúdo de nu-
trientes, adequado-os a dietas de indivíduos que pertençam a esses grupos da
população. Apresentam na sua composição quantidades insignificantes ou são
totalmente isentos de algum nutriente.
Alimentos LIGHT
São aqueles que apresentam a quantidade de algum nutriente ou valor energé-
tico reduzida quando comparado a um alimento convencional. São definidos
os teores de cada nutriente e ou valor energético para que o alimento seja
considerado light. Por exemplo, iogurte com redução de 30% de gordura é
considerado light.
Tanto alimentos diet quanto light não têm necessariamente o conteúdo de
açúcares ou energia reduzido. Podem ser alteradas as quantidades de gorduras,
proteínas, sódio, entre outros; por isso a importância da leitura dos rótulos.
Manual de Orientação aos Consumidores – Educação para o Consumo Saudável – 19
Para os portadores de algumas doenças
Os portadores de enfermidades devem ler os rótulos dos alimentos,
observando a lista de ingredientes e a rotulagem nutricional para
verificar a presença daquele ingrediente ou nutriente que não deve
consumir ou que pode consumir em baixa quantidade.
Diabetes Melitus
Atenção aos alimentos com açúcares em sua composição, sendo ele diet ou light.
Os produtos diet destinados para dietas com restrição de carboidratos, dietas
com restrição de gorduras e dietas de ingestão controlada de açúcares, devem
conter a seguinte advertência: “Diabéticos: contém (especificar o mono e/ou dis-
sacarídeo – glicose / frutose / sacarose)”, caso contenham esses açúcares.”
Pressão alta
Atenção ao conteúdo de sódio descrito na informação nutricional dos rótulos.
Os produtos diet ou light em sódio apresentam baixo ou reduzido teor em
sódio. Devem ser evitados produtos que contenham sacarina e ciclamato de
sódio, que, embora sejam adoçantes, são substâncias que contêm sódio.
Colesterol alto
A escolha de alimentos deve ser baseada no conteúdo de gorduras totais, gor-
duras saturadas e trans. Os produtos para dietas com restrição de gorduras
(diet) só podem conter 0,5g de gordura em 100g do produto. Os produtos
com baixo teor de colesterol (light) podem apresentar no máximo 20mg de
colesterol em sólidos e 10mg em líquidos, em 100g ou 100ml do produto.
20 – Manual de Orientação aos Consumidores – Educação para o Consumo Saudável
Triglicerídeo alto
Preferir alimentos reduzidos em gorduras e açúcares. Os alimentos diet e light
podem ser usados, mas com algumas considerações. Por exemplo, o chocolate
diet em açúcar não tem este ingrediente já que foi elaborado para o consumo
das pessoas que não podem consumir açúcar. Em compensação, apresenta
mais gordura do que o chocolate convencional, por isto deve ser consumido
com moderação. Outro exemplo é o requeijão light, ele tem menos gordura
que o original, mas ainda contém gordura, por isso deve ser consumido com
moderação.
Doença Celíaca
Atenção à lista de ingredientes dos alimentos que contêm em sua composição
trigo, aveia, cevada e centeio e seus derivados. No rótulo desses alimentos, pró-
ximo à lista de ingredientes, deve conter a advertência: “Contem Glúten”. Para
os alimentos que não contêm trigo, aveia, cevada e centeio na sua composição
a advertência que deve constar no rótulo é: “Não contém Glúten”.
Manual de Orientação aos Consumidores – Educação para o Consumo Saudável – 21
Tabela de porções
O consumidor deve sempre estar atento à porção dos alimentos indicada
nos rótulos, mas nem sempre sabe exatamente quanto cada porção equivale
em medidas caseiras. Para facilitar essa comparação, a tabela abaixo indica
as porções de referência de alguns alimentos consumidos no Brasil e suas
medidas caseiras.
Alimento
Porção (g/ml)
Medida caseira
Arroz cru
50g
¼ de xícara
Barra de cereal
30g
1 barra
Bolo (sem recheio)
60g
1 fatia
Leite
200ml
1 copo
Queijo minas
50g
2 colheres de sopa
Requeijão
50g
2 colheres de sopa
Suco de frutas
200ml
1 copo
Óleo vegetal
13ml
1 colher de sopa
Farofa pronta
35g
1 colher de sopa
Açúcar
5g
1 colher de chá
Aveia
30g
2 colheres de sopa
Manteiga / margarina
10g
1 colher de sopa
Doces em pasta
20g
1 colher de sopa
Presunto
40g
1 fatias
Pão Francês
50g
1 unidade
22 – Manual de Orientação aos Consumidores – Educação para o Consumo Saudável
Realização:
Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa
SEPN 515, Bl. B – Edifício Ômega
Brasília-DF – CEP: 70.770-502
Telefone: (61) 3448-6000
www.anvisa.gov.br
Faleconosco: http://www.anvisa.gov.br/institucional/faleconosco/mail2.asp
Outros contatos:
Disque Medicamentos: 0800 644 0644
Disque-intoxicação: 0800 722 6001

Copyright© 2009 CartoriosBR - Design By Brtem